Atletas de futebol 15/01/2013
Importância e aplicação da composição corporal no futebol, da Base ao Profissional

Claudio Pavanelli

Introdução
O futebol torna-se cada vez mais uma modalidade extremamente competitiva e de alto rendimento; assim, a preparação física tem papel fundamental para que as equipes atuem em alto nível e darem condições aos jogadores a desempenharem seu potencial máximo em uma partida de futebol, esta busca pela melhor performance exige uma evolução contínua das formas de treinamento, monitoramento de cargas e processos efetivos de recuperação entre jogos.

Os jogadores no decorrer dos anos de treinamento e aperfeiçoamento desenvolvem diferentes características, a composição corporal e os níveis de capacidade aeróbia, a potência, força e velocidade tornam-se distintos em uma modalidade que vem formando especialistas em determinadas ações, necessitando de uma maior especificidade e individualidade na preparação física devido a dinâmica tática, técnica e física do futebol busca-se encontrar e avaliar o melhor método de treinamento para atletas de diferentes posições na pratica do futebol. O aumento da dinâmica e competitividade durante os jogos de futebol, fez com que a exigência física e demanda energética se tornasse cada vez maior, com isso o aumento da importância da preparação física, sendo alvo de pesquisas cientificas na busca das melhores formas de treinamento e monitoramento.

Pavanelli avalia jogadores do Flamengo-RS na pré-temporada de 2011

Fisiologicamente, o futebol é um jogo extremamente complexo, com ações específicas de mudanças bruscas de direção, atividades cíclicas e acíclicas intermitentes, e ainda com exigência de frenagens bruscas em velocidade com retomadas de velocidade constantes, evidenciando um tipo específico de esforço de grande diversidade e que, em termos metabólicos, utiliza-se de fontes energéticas claramente distintas necessitando do desenvolvimento da força explosiva, da velocidade, da manutenção do esforço em alta intensidade (Fadiga) e metabolicamente da resistência anaeróbia e da resistência aeróbia. As características próprias do futebol, apresentam um nível heterogêneo das capacidades físicas e da tipologia física de cada jogador.

Avaliação de composição corporal no futebol
Além das variáveis físicas, técnicas, táticas e psicológicas, as análises antropométricas também se tornam imprescindíveis para melhora do desempenho desportivo, classificando a antropometria como o uso da medida no estudo do tamanho, forma, proporcionalidade da composição e maturação do corpo humano. A composição corporal vem sendo analisada através de medidas antropométricas como estatura, massa corporal, dobras cutâneas, diâmetros e perímetros, dados estes que são utilizados para avaliação, identificação de características especificas a cada atleta e suas e para prescrição de treinamentos individualizados. O programa de treinamento para atletas de futebol requer o conhecimento sobre a especificidade de cada atleta, assim, o conhecimento da composição corporal é imprescindível para caracterização das exigências especificas de cada atleta, para que através do treinamento especifico se potencialize o desempenho.

As exigências e estímulos físicos específicos resultam em diferentes adaptações no que se diz respeito à composição corporal, as exigências durante as partidas, e as características morfológicas de cada jogador são especificas e diferenciadas em relação às suas posições e funções em campo. A manutenção e avaliação da composição corporal se fazem essencial para o sucesso de uma equipe por toda temporada.

O perfil antropométrico de atletas profissionais de futebol pode ser caracterizado por sua heterogeneidade; isso em parte pode ser explicado pelas diferenças étnicas e raciais de seus praticantes. A composição corporal é um aspecto importantíssimo para o nível de aptidão física de atletas profissionais de qualquer modalidade, visto que o excesso de gordura pode diminuir substancialmente o desempenho humano. Devemos ter atenção ao analisar os resultados da composição corporal pois algumas vezes podemos nos deparar com situações em que o percentual de gordura encontra-se adequado, porém a massa magra (muscular) esta abaixo do desejado, e é exatamente este tecido que é metabolicamente ativo, responsável pelo fornecimento de energia e resposta para as atividades exigidas durante uma partida, principalmente as exigências de alta intensidade como os sprints e arranques.

Vale ainda ressaltar a necessidade do aumento de massa muscular de um atleta de futebol tem sua importância pelo maior estoque de energia e capacidade de executar atividades mais potentes e não para sustentar encontros e divididas com os adversários. Outro fator importantíssimo é o estoque de glicogênio muscular, que, juntamente com os níveis de glicose sanguínea, é o principal responsável pela manutenção da intensidade do esforço ou início da fadiga durante atividades físicas intensas e prolongadas.

Os resultados encontrados na literatura variaram entre 6 e 12%. Essa grande discrepância pode ser em parte devida aos diferentes métodos utilizados para a obtenção desses valores. No Futebol como em qualquer outra modalidade onde se faz necessário o monitoramento da composição corporal, se faz necessário a padronização do método escolhido, que atenda as necessidades de análises e que seja sempre reavaliado com a mesma metodologia, pois somente desta forma a precisão em se conhecer o atleta que está dentro dos padrões desejados ou qual deles necessita de um trabalho específico, seja para a diminuição da massa gorda ou para o aumento da massa muscular).

Métodos de avaliação da composição corporal
Apesar do peso corporal constituir uma variável que recebe influência imediata de programas de treinamento, sua medida fornece apenas uma visão superficial sobre a assimilação do organismo e adaptações provocadas pela melhora de capacidade física. Os valores de peso corporal como um todo, dependem fundamentalmente de uma série de componentes como ossos, músculos, gordura e outros tecidos que, dependendo do tipo de atividade e/ou da dieta alimentar desenvolvida, e ainda do nível de treinabilidade do atleta, cada um desses componentes pode sofrer diferentes variações em suas constituições, variações estas que não podem ser evidenciadas simplesmente através das medidas do peso corporal total.

Somente através de uma análise de cada um desses componentes de forma isolada e em relação ao próprio peso corporal total, o que caracteriza a análise da composição corporal, é que torna possível observar as alterações produzidas pelo treinamento e preparação física, oferecendo valiosas informações sobre sua eficiência ou não, indicando possíveis reformulações em seus princípios e métodos.

Nem sempre um maior peso corporal, traduza em um desenvolvimento favorável do componente muscular. Pode ser que este maior peso corporal esteja sendo compensado por uma excessiva quantidade de gordura. Desta forma, pode ser que atletas comumente considerados com excesso de gordura por apresentarem altos valores de peso corporal, sendo portanto direcionados a rotinas de exercícios físicos e a uma dieta alimentar específica para perda de gordura desviando-os de suas metas principais exigidas nas modalidades desportivas praticadas, sejam simplesmente atletas com um grande desenvolvimento músculo-esquelético, e inversamente atletas que são considerados magros por apresentarem um baixo peso corporal, podem na realidade mostrar um menor peso corporal em função de deficiências no desenvolvimento muscular e/ou ósseo, e não na quantidade de gordura, prejudicando sobremaneira uma melhor performance em termos atléticos.

Pavanelli orienta treinamento físico no  aparelho Cybex

Com a finalidade de oferecer maior clareza e objetividade quando da interpretação e análise dos diferentes componentes e suas implicações, tornou-se habitual considerar a composição corporal sob o aspecto de um sistema de dois componentes: a massa corporal isenta de gordura e a gordura corporal. Neste sentido, a massa corporal isenta de gordura ou o que se denomina de massa magra, refere-se a parte do peso corporal total que permanece após toda a gordura ser removida, sendo então formada pelos sistemas muscular e esquelético, órgãos, vísceras, além de todos tecidos não-gordurosos. Desse modo, a maior vantagem deste sistema é o fato de que quando o conteúdo de gordura corporal é conhecido, a massa magra pode também ser determinada pela simples subtração aritmética do peso corporal total e, por sua vez ambos componentes, gordura e massa magra, podem ser determinados paralelamente no organismo de uma pessoa.

Considerando este raciocínio, que basicamente se resume na relação: Peso Corporal = Gordura + Massa Magra

Percebe-se, já que não existem maiores problemas para se chegar ao peso corporal, o fundamental no estudo da composição corporal é a determinação da quantidade de gordura, admitindo que em termos de implicações práticas ao se comparar com a massa magra este componente é bem mais acessível.

Ao dividirmos a composição corporal em dois compartimentos, obtivemos dados referentes à massa magra, na qual os defensores apresentaram maiores valores, o que lhes é altamente favorável, pois, dentro da especificidade de suas atribuições técnicas e táticas, estas duas posições apresentam muito mais características de força e potência anaeróbia, do que os laterais e meio-campistas com ótimos níveis de aptidão aeróbia. Esta quantidade elevada de massa magra é essencial para desenvolver força, nos membros inferiores.

Para o estudo da composição corporal podem ser empregadas técnicas envolvendo procedimentos de determinação direta e indireta. Os procedimentos de determinação direta são aqueles onde o avaliador manipula diretamente os diferentes tecidos do corpo in loco, enquanto que os procedimentos indiretos são aqueles utilizados a partir de princípios químicos e físicos, com o objetivo de extrapolação da quantidade de cada um dos componentes. Neste sentido, como uma determinação direta implica em incisões no corpo, no homem obviamente esse procedimento só é possível ser realizado em cadáveres. Portanto, embora análises da composição corporal realizadas diretamente sejam importantes e ofereçam o suporte teórico necessário aos procedimentos de determinação indireta, são justamente as técnicas indiretas que possibilitam analisar os componentes de gordura e massa magra.

Dentro dos procedimentos de determinção indireta, apesar da grande variedade de técnicas em-O fundamental no estudo da composição corporal é a determinação da quantidade de gordura, admitindo que em termos de implicações práticas ao se comparar com a massa magra este componente é bem mais acessível pregadas, por exemplo: análises bio-químicas, resonancia magnética, raio x, densimetria, espessuras do tecido subcutâneo, e mais recentemente bio-impedância, constata-se que em termos de aplicabilidade as possíveis discrepâncias encontradas em seus resultados são atribuídas mais exatamente as características das medidas de cada uma das técnicas do que as próprias variações biológicas, o que as tornam indistintamente bastante válidas e úteis.

Entretanto, em razão das características particulares de cada técnica, convém chamar a atenção para o fato de que quando do desenvolvimento de comparações entre diferentes grupos individuais ou em estudos longitudinais, aconselha-se a utilização de uma mesma técnica na obtenção das informações. Quanto a escolha de uma das técnicas a ser empregada no estudo da composição corporal, a sofisticação de algumas metodologias aliada ao grande sacrifício por parte dos avaliados na obtenção dos resultados, além do elevado custo operacional dos instrumentos exigidos, tem feito com que a densimetria e a espessura do tecido subcutâneo sejam os procedimentos mais difundidos em nosso meio.

A técnica de medida da espessura do tecido subcutâneo tem por base a observação de que grande quantidade da gordura corporal se encontra debaixo da pele, e desta forma os valores das dobras cutâneas passam a ser um indicador da porção de gordura que se localiza naquela determinada região do corpo. Como a disposição da gordura localizada no tecido subcutâneo não se apresenta de forma uniforme por todo o corpo, a medida de espessura das dobras cutâneas deverá ser feita em várias regiões para se obter um termo médio de sua quantidade.

As informações sobre as medidas de espessura das dobras cutâneas como procedimento direcionado à avaliação da composição corporal estão alicerçadas na observação de que grande proporção da gordura corporal se encontra localizada no tecido subcutâneo, e, dessa forma, dimensões de sua espessura são utilizadas como indicador da quantidade de gordura localizada naquela região do corpo. Como a disposição da gordura localizada no tecido subcutâneo não se apresenta de forma uniforme por todo o corpo, as medidas de espessura das dobras cutâneas devem ser realizadas em várias regiões a fim de se obter visão mais clara sobre sua disposição.

Em relação às estratégias de interpretação, as medidas de espessura das dobras cutâneas podem ser analisadas de duas formas. Uma delas é o seu envolvimento em equações de regressão, com intenção de predizer valores associados à densidade corporal e, posteriormente, aos de gordura em relação ao peso corporal. A segunda maneira é considerar as medidas de espessura das dobras cutâneas de diferentes regiões anatômicas separadamente, procurando oferecer informações sobre a distribuição relativa da gordura subcutânea de região para região do corpo. A grande vantagem da utilização das medidas de espessura das dobras cutâneas reside no fato de que, além de se obterem informações com relação às estimativas da quantidade de gordura corporal, torna-se possível conhecer o padrão de distribuição do tecido adiposo subcutâneo pelas diferentes regiões anatômicas.

Desse modo, considerando a existência de fortes evidências de que nem sempre todos os depósitos de tecido adiposo subcutâneo são semelhantes na plasticidade e na contribuição para o risco de saúde associado ao excesso de gordura corporal, o método de espessura das dobras cutâneas caracteriza-se como um dos procedimentos mais importantes na avaliação da composição corporal.

O nível de exatidão e de precisão das medidas de espessura das dobras cutâneas depende do tipo de compasso utilizado, da familiarização dos avaliadores com as técnicas de medida e da perfeita identificação do ponto anatômico a ser medido. Outro aspecto importante relacionado às medidas de espessura das dobras cutâneas é a familiarização dos avaliadores com a técnica de medida. Nesse particular, um elemento básico deve ser considerado: a influência das variações na reprodutibilidade intra e interavaliadores.

Com relação à reprodutibilidade de medida intra-avaliador,observa-se que a magnitude de seus índices varia em razão da experiência do avaliador com a técnica adotada e da região a sermedida. Contudo, a quantidade de gordura apresentada pelo avaliado permite que repetidas medidas, na mesma região, realizadas pelo mesmo avaliador, concordem mais estreitamente entre dimensões menores que entre dimensões mais elevadas. Assim, a possibilidade de ocorrerem variações intra-avaliador deverá aumentar em proporção inversa às dimensões das medidas.

Relativamente à determinação de índices aceitáveis para a reprodutibilidade intra-avaliador, existem algumas tentativas de se estabelecerem referenciais nesse campo. Portanto, antes de iniciar com medidas de espessura das dobras cutâneas sugere-se que cada avaliador determine seu próprio índice de reprodutibilidade intra-avaliador para que se possam obter informações realmente confiáveis e úteis para futura análise da composição corporal.

Não se aconselha realizar as medidas de espessura das dobras cutâneas imediatamente após os treinamentos devido ao deslocamento de fluidos corporais em direção à pele, em conseqüência de adaptações biológicas resultantes dos esforços físicos realizados, tende a aumentar as espessuras das dobras cutâneas. Além disso, devem-se realizar as medidas sempre diretamente na pele do avaliado, quando esta estiver seca e sem nenhum produto que possa ocasionar o deslizamento dos dedos do avaliador ou das bordas do compasso. Sempre que possível, deve-se evitar a utilização de compassos de plástico e procurar obter definição mínima de 0,1mm, mesmo que esta seja alcançada por interpolação da escala original de medida.

Relativamente à localização dos pontos anatômicos para realização das medidas de espessura das dobras cutâneas, estes variam conforme a equação preditiva utilizada para estimativada quantidade de gordura corporal. Contudo, chama-se a atenção para a necessidade de acompanhar rigorosamente a padronização proposta pelos autores da equação escolhida.

O exame de Bioimpedância é baseado no princípio que a impedância ou resistência a uma corrente elétrica está relacionada ao volume e comprimento do condutor, no caso, o corpo humano. A quantidade de água corporal é diretamente proporcional ao volume e comprimento do corpo e inversamente relacionada `a resistência elétrica , em seres humanos. Deste modo, pode-se predizer o conteúdo de água corporal, da massa livre de gordura e considerando o conteúdo mineral uma constante relacionada à altura, pode-se inferir o percentual de gordura.

Embora seja um método simples, portátil e de baixo custo, não é capaz de predizer a massa muscular melhor do que o Índice de Massa Corpórea [ peso(kg) / (altura)2(m2) ]. Particularmente em obesos, em que a água corporal não é uma constante como em indivíduos magros normais, o método tende a superestimar os valores de massa gordurosa.

A utilização do método de densitometria por dupla emissão de raios-X (DEXA) na avaliação da composição corporal, permite a medida tanto da massa óssea quanto do conteúdo corporal de gordura e massa magra. A confirmação da excelente acurácia e do pequeno erro de precisão do exame, através de estudos comparativos com a análise química da carcaça de animais, tornou-o referência para o estudo de composição corporal em seres humanos.

A densitometria por DEXA do corpo inteiro é o único método que avalia diretamente todos os compartimentos corporais (massa óssea, massa muscular e água, massa gordurosa), sem inferir dados a partir da medida de apenas um compartimento. No exame da composição corporal por DEXA , a água corporal está incorporada ao compartimento de massa magra (músculos), não afetando a medida do conteúdo de gordura ou de tecido ósseo.

Uma vantagem adicional da Densitometria por DEXA é a determinação da composição regional, permitindo o estudo particularizado de braços, pernas, tronco e abdômen. Este método também permite uma análise muito mais precisa de performance esportiva, pois devido a divisão de massa muscular entre os membros (inferiores) ao correlacionar o nível de força em cada um destes membros com a massa muscular, podemos com maior exatidão, orientar um treinamento específico de força e diminuir a probabilidade de algum tipo de lesão devido ao desequilíbrio das variáveis força e massa muscular entre membros.

Referências bibliográficas
AL-HAZZAA HM, ALMUZAINI KS, AL-REFAEE SA, SULAIMAN MA, DAFTERDAR MY, AL-GHAMEDI A, et al. Aerobic and anaerobic power characteristics of Saudi elite soccer players. J Sports Med Phys Fitness 2001;41:54-61

AMERICAN DIETETIC ASSOCIATION (ADA). Position of the American Dietetic Association, Dietitians of Canada, and American College of Sports Medicine: Nutrition and athletic performance. J Am Diet Assoc 2000;100:1543-56.
BANGSBO J. The physiology of soccer with special reference to intense intermittent exercise. Acta Physiol Scand 1994;15(Suppl 619):1-156.

BRODIE, D.A. Techniques of measurement of body composition. Sport Medicine, 5(1): 11-56, 1988

CAIXINHA, P.F.; SAMPAIO, J.; MIL-HOMENS, P.V. Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessão de treino e em competições de futebolistas juniores. Vol.4. Revista portuguesa de ciência e desporto. 2004.

CAMPEIZ, J.M. et al Análise de variáveis aeróbias e antropométricas de futebolistas profissionais, juniores e juvenis. Vol. 2. São Paulo. Conexões. 2004.

CAMPEIZ, J.M.; OLIVEIRA, P. R. Análise comparativa de variáveis antropométricas e anaeróbias de futebolistas profissionais, juniores e juvenis. Vol. 6. São Paulo. Movimento e percepção. 2006.

CLARKSON PM, Hubal MJ. Exercise-induce Muscle Damage in Humans. Am J Phys Rehabil, 81:52-69, 2002.

EVANS WJ, Calmon JG. The metabolic effect of exercise-induced muscle damage. Exerc Sports Sci Rev 1991;19:99-125.
DAVIS JM, FITTS R. Mechanisms of muscular fatigue. In: Roitman JL, editor. ACSM's resource manual for guidelines for exercise testing and prescription. Baltimore. Williams & Wilkins, 1998;182-8.

DEURENBERG, P.; WESTSTRATE, J.A.; SEIDELL, J.C. Body mass index as a measure of body fatness: age and sex-specific prediction formulas. Br. J. Nutr., v.65, p.105-14, 1991.

DRINKWATER, D.T.; MARTIN, A.D. & ROSS, W.R. Validation by cadavers dissection of Matiegkas equations for the anthropometric estimation of anatomical body composition in adult humans. IN: DAY, J.A.P. Perspectives in Kinanthropometry. Champaign, lllinoes, Human Kinetics Publishers,INC. 1986

DURNIN, J.V.G.A. & WOMERSLEY, J. Body fat assessed from total body density and its estimation from skinfold thickness: measurements on 481 men and women aged from 16 to 72 years. British Journal of Nutrition. (32): 77-92, 1974

ELLIS KJ. 2000 Human body composition: in vivo methods. Physiol Rev 80: 650-671

FONSECA, P.H.S. et al. Análise morfológica de atletas de futebol da categoria sub-20. Ano 10 nº. 75. Universidade Federal de Santa Maria centro de Educação Física e Desporto. Revista digital. 2004.

GUERRA, I.; SOARES, E.A.; BURINI, R.C. Aspectos nutricionais do futebol de competição. Vol. 7. Rio de Janeiro. Revista brasileira de medicina do esporte. 2001.

HOFFER EC, MEADOR CK, SIMPSON DC. 1969 Correlation of whole-body impedance with total body water volume. J Appl Physiol 27: 531-534.

JEBB SA, COLE TJ, DOMAN D, MURGATROYD PR, PRENTICE AM. Evaluation of the novel Tanita body-fat analyzer to measure body composition by comparison with a four-compartment model. Br J Nutr 2000;83:115-22.

KIEBZAK GM, LEAMYBLJ, PIERSON LM, NORD RH, ZHANG ZY. 2000 Measurement precision of body composition variables using the Lunar DPX-L densitometer. J Clin Densitometry 3: 35-41.

LOHMAN TG, ROCHE AF, MATORREL R. Anthropometric standardization reference manual. Illinois: Human Kinetic/books, 1998.

LUKASKI HC, MARCELLO MJ, HALL CB, SCHAFER DM, SIDERS WA. 1999 Soft tissue composition of pigs measured with dual x-ray absorptionmetry comparison with chemical analysis and effects of carcass thickness. Nutrition 15: 697-703.

MACLAREN D. Nutrition. In: Reilly T, Williams AM, editors. Science and soccer. 2nd ed. London: Routledge, 2003;75-95.

PAVANELLI, C.; Testes de avaliação no futebol. In: Barros, T.L., Guerra, I.; Ciência do Futebol. São Paulo: Manole, 2004: 67-83

PRADO, W.L. et al, Perfil antropométrico e ingestão de macronutrientes em atletas profissionais brasileiros de futebol, de acordo com suas posições. Vol. 12. São Paulo. Revista brasileira de medicina do esporte. 2006.

REILLY T. Physiological aspects of soccer. Biol Sport 1994;11:3-20.

REILLY T. Energetics of high-intensity exercise (soccer) with particular reference to fatigue. J Sports Sci 1997;15:257-63.

REILLY T, WILLIAMS AM, editors. Science and soccer. 2nd ed. London: Routledge, 2003.

REYLLY T, BANGSBO J, FRANKS A. Anthropometric and physiological predispositions for elite soccer. J Sports Sci 2000;18:669-83.

RICO-SANZ J. Body composition and nutrition assessment in soccer. Int J Sport Nutr 1998;8:113-23.

SILVA, P.R.S.; ROMANO, A.; VISCONTI, A. M. Avaliação funcional multivariadas em jogadores de futebol profissional: uma metanalise. Vol. 4. São Paulo. Revista brasileira de medicina do esporte. 1998.

SOARES, J. M. Particularidades energético-funcionais do treino e da competição nos jogos desportivos: o exemplo do futebol. Porto. Revista portuguesa do desporto e Educação física. 2000.

VELÁSQUEZ, R.C. Factores condicionantes de la producción de rendimiento del futbolista. Ano 10 - nº. 40. Buenos Aires. Revista Digital de Buenos Aires. 2005